Lana Del Lovers
Lana Del Rey - Coachella - Woodstock In My Mind

Entertainment Weekly: Por dentro da criação do mais novo e esperançoso álbum de Lana Del Rey

Em um artigo publicado nesta última sexta-feira (14), o site da revista Entertainment Weekly conversou com os colaboradores do novo álbum de Lana Del Rey, Lust For Life, que será lançado na próxima sexta-feira (21). Leia abaixo a tradução do artigo:

A capa do próximo álbum da Lana Del Rey, Lust For Life, mostra a cantora como raramente foi vista: visivelmente feliz, exibindo um sorriso gigante de bochecha a bochecha. Desde sua estreia em 2012 com disco Born To Die, Del Rey (nascida Elizabeth Woolridge Grant) desenvolveu uma reputação por ser a garota triste resistente ao pop — uma cantora cujo tom sépia, baladas cinematográficas se fixam no romance torturado, tédio juvenil e drama da velha Hollywood. Mas para Lust For Life, Del Rey decidiu que ela queria (um pouco mais) de diversão.

“Nós estávamos procurando por algo que tivesse mais leveza”, disse a irmã dela, a fotógrafa Chuck Grant, responsável pela foto de capa. “Nós sabíamos que queríamos algo mais otimista.” Até mesmo a nova música ficou mais brilhante: em contraste com as mais sombrias e com tom noir de seus discos anteriores. “Há muitas canções e melodias importantes”, diz Kieron Menzies, um dos produtores e engenheiros de som de Del Rey. “Tanto a produção como a composição da músicas evoluíram para esse lugar diferente.”

Del Rey começou as sessões para Lust For Life algumas semanas após finalizar o Honeymoon em 2015, e a faixa-título foi uma das primeiras músicas que ela escreveu para ele, de acordo com o produtor e co-compositor da cantora, Rick Nowels. “Ela é uma compositora muito, muito prolífica”, diz ele. “Nós escrevemos mais músicas do que o suficiente para o disco.” Lust For Life e suas letras otimistas — em oposição à mensagem mais fatalista de músicas como Born To Die — tornou-se uma faixa orientadora para o registro. “Definitivamente partimos do zero para este álbum”, diz Menzies. “Enquanto ela estava juntando tudo e escolhendo músicas, ela estava atraída por esse tema de “desejo por vida”.”

Grant também sugere que as mudanças na vida pessoal de Del Rey podem ter inspirado um novo campo lírico. “Ela está em um ótimo lugar agora, pessoalmente, e tenho certeza de que isso teve influência nela”, diz ela. “O álbum é mais sobre coisas que estão fora dela própria. É um comentário sobre os tempos.”

Adendo: os colaboradores de Del Rey dizem que estava bem ciente de que os ouvintes poderiam precisar de alguma positividade em 2017. Enquanto trabalhava no álbum, Nowels diz: “Todos estávamos acompanhando as eleições, como todos os outros.” Rich Lee, que dirigiu os videoclipes de Love e Lust For Life, concorda que os eventos atuais ajudaram a definir o tom do projeto: “Tentando manter essa vibração sutil e esperançosa dada a natureza de tudo acontecendo agora é definitivamente algo sobre o qual falamos.”

O trailer do álbum retrata Del Rey como uma espécie de bruxa originária de filmes de baixo orçamento, que vive nas sombras do letreiro de Hollywood, mas seu processo criativo dificilmente poderia ter sido mais diferente. Grande parte do álbum foi escrito e gravado no estúdio de Nowels em Santa Mônica, onde Del Rey e seus colaboradores aproveitaram o sol e a brisa da praia a poucos quarteirões de distância. “Isso é muito inspirador para todos aqui”, diz Menzies. “Ela fala sobre praias provavelmente duas vezes ao menos [neste disco].”

Enquanto Honeymoon foi feito quase que exclusivamente com Nowels e Menzies, Del Rey expandiu seu círculo de colaboradores para Lust For Life para incluir Sean Ono Lennon, o produtor de hip-hop Boi-1da (Drake, Rihanna) e os produtores pop Benny Blanco (Ed Sheeran, Major Lazer) e Max Martin (Katy Perry, Ariana Grande), entre outros. Como resultado, os parceiros criativos de Del Rey chamam Lust For Life de seu trabalho mais diversificado até hoje. “Há uma tonelada de hip-hop que está infundida”, diz Grant. “Mas há algumas músicas que retornam às suas raízes de jazz e folk”, diz Nowels, “Há hip-hop, canções de piano, músicas de guitarra acústica, psicodelia.”

Os confidentes de Del Rey enfatizam que o álbum não é uma reinvenção dramática — espere alguns retrocessos sônicos para seus lançamentos anteriores — mas eles pensam que esta era mais leve oferecerá aos novos e antigos ouvintes outro ponto de entrada para um artista que prefere manter seu trabalho envolto em mistério. “É ótimo se relacionar com alguém em suas lutas e tristeza”, diz Grant, “Mas é ainda mais poderoso se relacionar com alguém de uma maneira mais otimista.”

Tradução por Fernanda Rios. – Equipe Lana Del Lovers.
Artigo original por Nolan Feeney ao Entertainment Weekly.