Lana Del Lovers
Lana Del Rey - Coachella

A geração Lana Del Rey

O que os jovens de atualmente têm em comum com os jovens de 60 anos atrás? Eles sentem sede de liberdade e uma enorme necessidade de manter o mundo um lugar melhor para as próximas gerações. Muito se fala sobre geração X e Y, porém mais do que isso, todos nós estamos no mesmo barco, alguns pulam antes que afunde enquanto outros aguentam firme e esperam pelo naufrágio.

A sutileza desse conjunto de jovens fãs que seguem Lana Del Rey com certeza é uma herança simplória da cantora para os fãs, que seguem uma linha diferente de outros admiradores de grandes cantoras pop, nadando em sua própria raia. Nunca houve tanta estrutura para que Lana pudesse acomodar tantos fãs fieis e apaixonados, tanto que boa parte deles nunca tiveram a oportunidade de conhecê-la.

Os fãs da América Latina tiveram poucas oportunidades de receber Lana em alguns países, mas deram inúmeras demonstrações de carinho e satisfação em recebê-la. Shows lotados, fãs acampados, muito suor, lágrimas e vozes ecoando em estádios e arenas, e claro, ela retribuiu todo esse carinho.

Os fãs norte-americanos nem sempre souberam apreciar a grande fortuna de ter Lana sempre circulando pela Califórnia e algumas vezes cruzando o país em turnê. O relacionamento entre Lana e os Estados Unidos se estabilizou com a chegada do álbum Ultraviolence (2014), e desde então ela já fez uma turnê por todo o país lotando arenas e anfiteatros. Antes tarde do que nunca.

Os fãs europeus são muito especiais para a cantora, tanto pelo apoio incondicional que demonstram desde sempre, quanto pela consideração e compreensão com a ausência de shows e eventos durante a promoção de seus dois últimos álbuns, uma realidade que todos temos que superar para seguir em frente. Existem alguns vestígios de seguidores em alguns países da África, Ásia e Oceania, que mesmo não tendo um contato direto com os outros fãs, estão conectados através de redes sociais e fóruns.

Talvez o que una tantos jovens em torno de uma única pessoa seja a legitimidade da real consciência de ser fã. A estética do “sonho americano” de Lana reflete em cada fã como um ponto de partida ou como a esperança de dias melhores, já que os “dias azuis” chegam para todos, então é uma forma de apreciar tudo aquilo que não é tão confortável ou aceitável. E se você não enxerga beleza naquilo que é triste, talvez tenha muito o que aprender com Lana Del Rey.

“Estou falando da minha geração. Falando sobre aquela nova nação. E se você não gosta, você pode ir embora. Sai fora, querido.” — ‘Brooklyn Baby’.

Jallison Campos