Lana Del Lovers
Lana Del Rey concedendo entrevista à 'KROQ' em 31 de julho de 2017.

Lana Del Rey fala sobre novo álbum, Stevie Nicks e muito mais em entrevista à ‘KROQ’

Em entrevista concedida aos radialistas Kevin Ryder e Gene “Bean” Baxter da KROQ nesta última segunda-feira (31), Lana Del Rey falou sobre seu novo álbum, Stevie Nicks e muito mais. Leia abaixo a tradução da entrevista:

Ouça a entrevista no player abaixo:

Senhoras e senhores, ela está de volta! Cantora, compositora, ícone, Lana Del Rey. Como você está, Lana?

Eu estou bem, depois dessa introdução. Obrigada!

É ótimo vê-la novamente. Lust For Life, o novo álbum, está disponível há cerca de dez dias, um grande sucesso. Mas antes de qualquer coisa, eu preciso dizer algo que fiquei com medo de me esquecer: Obrigado por participar do KROQ Weenie Roast Y Fiesta com a gente nesse verão.

Foi um prazer, obrigada por terem me recebido.

Foi tão divertido, e você deve se lembrar, o festival teve um lineup repleto de grandes artistas, mas eu sinto que 80% da audiência estava lá pela Lana Del Rey, foi uma loucura como seus fãs apareceram.

Eles sempre vão aos shows por mim, eu sou muito sortuda. Não importa aonde eu vá, eles sempre estão presentes.

Vamos falar sobre os seus fãs, porque eu fiquei tão fascinado com isso. Semana passada, quando você foi à Amoeba Music, um dos caras que trabalha com a gente disse: “Eu dirigi até Hollywood essa manhã e as pessoas já estão formando uma fila para ver a Lana.” Eles começaram a montar uma fila na noite anterior para conseguirem ver você!

Sim, eu ouvi falar sobre isso. Eu ainda estava no voo de Londres quando isso aconteceu.

— E eles já estavam na fila esperando por você!

— Você é melhor que um lançamento de tênis.

— Eu sei que você lança música porque, como uma artista, você espera que as pessoas se conectem com sua arte. Mas o que eles dizem para você depois de passarem a noite toda esperando para te conhecer e te dar um aperto de mão? O que eles dizem para você que deixe claro que eles estão conectados à sua música de um jeito tão profundo?

Eles me falam sobre tudo, desde coisas mais engraçadas como coisas mais sérias, como “Sua música salvou minha vida”, ou como eles esperam que o álbum tenha um bom desempenho então eles dizem isso fazendo alguma piada.

Como que você lida com alguém dizendo que sua música salvou a vida deles?

É algo muito sério. Eu absorvo, mas eu tento tirar o melhor disso. Música também foi uma parte importante da minha vida quando eu era adolescente. Não que todos sejam adolescentes, existem fãs de todas as idades.

Então você sabe como é se apaixonar por uma música ou um álbum, e como isso pode afetar sua vida?

Eu não acredito que eu tenha escutado vários álbuns que tenham mudado a minha vida quando eu era adolescente, mas acredito que houveram alguns.

Você já esperou a noite toda para encontrar algum artista quando você era mais nova?

Não, mas eu sou de Lake Placid, uma vila nas montanhas Adirondacks,  os únicos artistas que eu me lembro terem ido à minha cidade foram Fish e a Shania Twain que um dia fez um ensaio de palco na Olympic Arena.

Você não parece ser uma fã de Fish.

Eu acho que eventualmente o Fish foi proibido de tocar naquela arena, porque os fãs deles eram muito loucos, então nós não tínhamos ninguém pra tocar para nós. Nós tínhamos só bandas covers de Greatful Dead.

E como é para você, como artista, mas também como uma super fã, ter trabalhado com Stevie Nicks? Você conseguiu esquecer por um minuto que era a Stevie Nicks e conseguiu tratá-la apenas como outra artista?

Não quando ela foi até o estúdio. Eu estava mais nervosa do que pensei que estaria quando ela entrou.

Você conseguiu manter a calma?

Eu consegui no começo, mas então ela me pediu para cantar algo de novo e eu fui até o microfone, naquela cabine acústica que eu não tenho costume de usar, porque eu normalmente canto no meio da sala, mas eu estava tentando ser uma profissional. Ela só queria que eu cantasse meus “oohs” e “ahs” de novo, e meu primeiro “ah” foi horrível, mas ela não disse nada. Então eu disse algo estúpido, como “Meu ah soa tão baixo comparado ao seu ah”, e ela disse “Não tem problema, você pode ser meu pequeno eco” e eu achei isso fofo.

E aí você imediatamente tatuou aquilo.

Sim, um “pequeno eco” perto do meu coração. (Risos)

Quando Kevin e eu temos convidados no programa que nós queremos ser melhores amigos nós sempre falamos “Agora que conhecemos essa pessoa nós vamos conseguir o celular dela, nós vamos almoçar juntos”, mas não é assim que funciona. Eu estava pensando, você e Stevie são amigas agora? Você poderia ligar para ela se quisesse?

Eu com toda certeza poderia ligar para ela. Eu preciso dizer,  é incrível acontecer esse tipo de coisa, e a amo e a considero minha amiga. Porque você nunca sabe o que vai acontecer quando você colabora com mulheres, mas ela quis estar presente desde o início. Ela enviou flores depois que a música ficou pronta, me deu um presente de aniversário. Ela é a lenda, mas foi ela que se esforçou para que tudo desse certo, eu só tive que ligar para a amiga dela para ter certeza de que estava tudo certo.

Eles dizem que não devemos conhecer nossos heróis, mas acredito que nesse caso…

Eu acho que frequentemente isso é uma verdade, mas ela é uma das únicas pessoas que é uma exceção à essa regra.

Eu quero te fazer mais uma pergunta sobre a Stevie antes de irmos para o intervalo, e eu não quero fazer piada disso, mas vocês têm o interesse em bruxarias como algo em comum. Muitas pessoas gostam de escrever sobre isso, sobre como as bruxas se uniram.

Eles amam isso.

Eu não quero colocar palavras na sua boca, então, porque você não me diz o que isso significa?

Bem, nós duas temos um gosto pelo drama. Eu à vi no palco com Fleetwood Mac semana passada no Dodger Stadium — e eu não quero dizer que eu também seja exatamente assim — mas você pode ver que ela é mística de coração. E eu sempre tive um longo interesse por todos os tipos de coisas antigas e ocultas, como tantas outras pessoas. Acho que aproveito um pouco dessa inspiração para a minha música. Eu adoro ler coisas assim, então… Sim, as duas bruxas se uniram.

Ela tinha o costume de fazer shows com meus tios e primos e quando eu era criança eu tinha o costume de tirar fotos com a minha câmera e levá-las para serem reveladas, e quando elas ficavam prontas todas as fotos com ela ficavam borradas, sem brincadeira. Isso provavelmente acontecia porque eu surtava enquanto eu tirava fotos dela, mas isso ficou marcado por toda a minha vida.

Isso é interessante.

Você já tirou fotos com ela?

Não, mas eu gravei um vídeo cantando músicas dela no meu caminho ao estúdio, porque eu iria mostrá-la e o vídeo todo ficou fora de foco.

— Obrigada! Boa noite à todos.

— O que está acontecendo? Isso se tornou um programa de Halloween.

— Talvez ambas sejam péssimas fotógrafas, ou…

— Ou eu estou certa, e essa é a prova.

— Talvez eu esteja errado, mas esse álbum não pareceu levar tanto tempo para sair em comparação aos outros.

Talvez tenha durado o mesmo tempo. Eu senti como se ele tivesse levado muito tempo para ser escrito. Eu acho que passei muito mais dias consecutivos dentro do estúdio para esse álbum. Mas eu provavelmente comecei há dois anos atrás, próximo da data em que eu lancei o Honeymoon.

Eu sei que normalmente o último álbum é normalmente o preferido de um artista, é aquele em que eles estão mais animados para cantar as músicas, compartilhar e falar sobre. Esse álbum é diferente para você em comparação aos outros?

Sim, eu senti uma diferença. Mas eu fiquei feliz por não ter sentindo uma diferença tão grande entre a vibe desse disco entre os outros.

Foi uma escolha consciente?

Não. Eu acredito que talvez as melodias e a produção seguiram o que eu estive planejando durante o último ano e meio, eu meio que sabia a direção que o álbum estava tomando e então quatorze meses depois houve uma mudança de estilo, então eu não sabia muito bem onde nós iríamos chegar. Mas eu amo ele, tem algumas músicas como Coachella – Woodstock In My Mind, em que eu amo a produção, ou Cherry, eu amo sua vibe blues junto com a produção.

Te assusta quando há uma mudança durante a produção do álbum?

Sim. Na verdade isso nunca tinha com tanta frequência, como aconteceu com esse álbum.

Você se abre facilmente à esse tipo de mudança?

Eu não acho que eu era antes, mas eu fui com esse álbum.

É um álbum bem generoso também, tem 16 músicas e você disse na Amoeba Music que você tinha outras 25 músicas que você trabalhou para o álbum mas que não entraram no produto final.

Não, eu tenho 5 músicas que não entraram para o álbum. As vezes os fãs mais novos me perguntam sobre as músicas que foram vazadas, então… Eu disse que em algum momento eu posso lançar algumas dessas músicas porque eu as amo.

Falando sobre Amoeba Music mais uma vez, nós levamos uma pessoa que trabalha no programa para a fila de fãs que estavam te esperando naquela noite e ele pediu para que eles fizessem perguntas para você. Você se importaria de ouvir algumas perguntas dos seus fãs?

Ah, sim. Legal!

Fã: Como você cria os títulos dos seus álbuns?
Entrevistador: E eles estão conectados?

Achei fofo vocês terem o áudio com as vozes deles. Como eu crio os títulos dos álbuns… Geralmente eu gosto de um título que vai apontar para uma determinada estética, um mundo em que eu posso criar liricamente e sonicamente. Durante metade do processo eu percebi que ele estava soando mais leve do que, vamos dizer, Born To Die. E uma das canções que eu já tinha gravado se chama Lust For Life, então eu pensei que seria o fim de um ciclo.

E você gravou essa música com The Weeknd.

Sim, eu gravei. E eu não sabia se seria estranho ter uma música com participação especial como título do álbum.

Foi antes ou depois do corte de cabelo dele?

Foi exatamente depois. Eu disse pra ele: “Isso vai mudar a sua vida, você vai conseguir ir à qualquer lugar agora. Você gosta de bonés de baseball? Você irá poder ir no Yum-Yum Donuts da esquina sem problemas.”

Entrevistador: Próxima pergunta do fã.
Fã: Qual é a coisa mais estranha que um fã já disse ou fez para você?

Vamos ver… Bom, biscoitos caseiros. Eu normalmente eu não os pego, não me julguem, eu tenho hipocondria! O que mais? Tem mais algumas coisas estranhas…

Fã: Se você pudesse fazer um dueto com qualquer artista que você ama, morto ou vivo, quem seria?

Você sabe quem eu amo? Joni Mitchell! Eu não sei o que ela está fazendo agora, então…

Ela teve um grande problema de saúde um tempo atrás…

Lembro de ter lido algo sobre.

Mas ela se recuperou e foi vista em público. Ela é uma das lendas. Seria fantástico… Bem, nos fale sobre os shows que você anunciou sexta-feira. Você tem dois shows na Califórnia chegando.

Sim, eu vou fazer alguns shows, os dois na House Of Blues. Um em San Diego e um em Anaheim, são shows em clube. Eles acontecerão hoje à noite e amanhã.

O show de amanhã em Anaheim será às sete horas da noite e nós temos ingressos para ele. Se você quiser ver Lana Del Rey amanhã à noite você pode nos ligar no 18005201067 para ganhar esse par de ingressos. Lana, escolha um número de um a cem, por favor.

De um a cem… 66.

Você acabou de tornar as vidas dos nossos atendentes um pesadelo. Não poderia ter escolhido o número quatro, Lana?

99! Esse é para o ganhador do segundo ingresso.

É isso? Nós falamos sobre tudo? Todos estão felizes? Lana, você se divertiu?

Sim, obrigada por terem me recebido!

O prazer é nosso. Obrigado por continuar a fazer música de qualidade e obrigado novamente por ter tocado no KROQ Weenie Roast Y Fiesta. Espero encontrá-la novamente!

Tradução por Luana Lima. – Equipe Lana Del Lovers.
Entrevista original por Kevin Ryder e Gene “Bean” Baxter à KROQ.