Lana Del Lovers
Lana Del Rey - The FADER (2014)

The FADER | Sete perguntas inéditas de nossa entrevista com Lana Del Rey

No começo deste mês, a revista The FADER liberou uma entrevista com a cantora Lana Del Rey. Mas nesta semana, eles liberaram sete perguntas inéditas, onde a cantora falou sobre Barrie-James O’Neill, o processo de gravação do novo álbum, mortalidade e muito mais. Leia abaixo a tradução da matéria:

Em uma entrevista para a capa da nossa edição mais recente, Lana Del Rey falou sobre uma série de temas importantes, incluindo acusações contra ela de anti-feminismo, uma doença misteriosa que vem afligindo-a e sobre sua vida pessoal. Mas, como em qualquer outra história, nem tudo pode caber e certas partes interessantes tiveram que ficar de fora. Agora, no dia do lançamento de seu novo álbum Ultraviolence, aqui estão sete perguntas bônus, onde Lana fala sobre seu relacionamento com o Barrie-James O’Neill, seu namorado, o processo de gravação do seu segundo álbum e uma dica do que pode vir em seguida.

Sobre fazer suas próprias gravações…

“Com 18 anos, eu tive um MacBook pela primeira vez. As coisas mudaram para mim, porque eu poderia gravar minhas voz no GarageBand e começar a editar no iMovie. Eu comecei a baixar vídeos de outras pessoas no YouTube e incorporá-los em minhas gravações. Era uma época em que todo mundo estava experimentando, porque a internet ainda era muito nova. Tudo o que é bom, divertido e feito por você mesmo, é soprado para fora da água. Isso foi o que eu aprendi. Mesmo gravando em casa, gravando por si mesmo. Você perde o impulso, e as pessoas não estão tão interessadas ​​nas gravações caseiras, e você começa a trabalhar com outros produtores. Para mim, era uma trajetória interessante fazer coisas sozinhas para encontrar pessoas que realmente gostavam de mim e entendiam que minhas músicas não eram tradicionais canções pop, mas sim um desenrolar psicológico de uma história de vida em forma de canção. Você tem que escolher pessoas que realmente querem isso.”

Sobre o início de sua carreira…

“Eu busquei uma carreira indie. Eu era um grande fã da Cat Power. Eu ainda nunca tinha escutado a música pop. Você poderia me perguntar qualquer coisa, e eu nem saberia de quem você estava falando. Apenas não aconteceria para mim, não faz meu tipo. Eu gosto de música antiga. Eu realmente gosto de coisas do início dos anos 90, eu realmente gosto de rock clássico e do final dos anos 70. As pessoas que eu gostava eram Father John Misty, eu amo Cat Power. Eu estava mais inclinada para o lado indie. Eu não estava tentando ser como um indie qualquer, mas eu era uma fã de Lou Reed. Eu vim para Nova York por causa de [Bob] Dylan. Eu era uma escritora de verdade, você sabe. Eu estava escrevendo pequenas histórias. Fazendo poesia por diversão.”

Sobre o seu namorado, Barrie-James O’Neill…

“Eu não estou noiva. Na verdade, eu recebo um monta de telefonemas com pessoas dizendo: ‘Oh, obrigado por me avisar.’ Eu digo: ‘Você saberia.’ Mas eu tive sorte com isso, porque eu já fui muito azarada antes. Eu conheci uma pessoa que era uma pessoa muito melhor do que eu era. Ele morreria antes de se tornar um grande famoso. Ele era muito parecido comigo, mas ainda mais forte. Eu diria que, na época, o jeito que eu resumiria suas qualidades seria dizendo que ele era muito admirável. Mesmo antes das coisas ficarem maiores, eu não tinha conhecido muitos caras que entendiam ou que eram tão apaixonados sobre a era grunge, bandas de culto, filmes cult, como eu era. Para mim, era um estilo de vida e um modo de vida. Viver fora do padrão era importante para mim, não tendo muito a ver com as pessoas que eu sentia não ter muito em comum. Ele era exatamente assim. Ele viveu e fez música em seu próprio por 10 anos, e eu estava totalmente relacionada com ele neste nível.”

“Nós tivemos uma relação muito tumultuada. Ele é um personagem muito obscuro, e ele tem seu próprio processo poético que é mais sombrio do que a mente. Então por mais solidário que ele tenha sido, muito da minha energia foi para ter certeza que ele está na ‘mentalidade certa’, porque ele é realmente propenso a longos períodos de tranquilidade. Ele pode ficar um mês muito silencioso, e isso é apenas parte do seu processo. Eu não sabia disso no primeiro ano. Mas, você sabe, o tipo de processo criativo de cada um é diferente e muda. Temos tido muitos altos e baixos. Ele vai dizer-lhe que também. Quem nos conhece também. Temos algumas ideias diferentes sobre o que nós somos como coisa, credível e não credível. Isso pode forçar as coisas. Tipo, ele nunca iria trabalhar com alguém que acha que é um idiota, enquanto que, se eu acho que eles são talentosos, mesmo sendo idiotas, eu provavelmente ainda trabalharia com eles.”

Sobre a gravação do Ultraviolence

“Eu fiz tudo sozinha com pessoas que eu conhecia. Lee [Foster, gerente geral do Electric Lady Studios], tem sido um dos meus bons amigos nos últimos 10 anos. Eu vim aqui para o Natal e ele estava como: ‘Você deveria ir para o estúdio.’ Ele me deixou ficar no estúdio sozinha durante quatro semanas. Eu só contratei um guitarrista e um baterista. Eu produzi sozinha. Eu pensei que estava pronto, mas então eu conheci Dan Auerbach em um clube. Foi estranho, porque eu normalmente não trabalho com alguém que eu não conheço. Ele era muito espontâneo. Ele era como: ‘Nós devemos voar para Nashville e ver o que podemos fazer.’ Então eu voei para lá com ele e nós levamos seis semanas adicionais para refazer o álbum. E eu adorei isso. Foram as mesmas músicas, eu só as fiz novamente.”

Sobre o tom mais rock do álbum…

“Eu amo rock & roll, mas eu amo também vários outros gêneros musicais. Eu adoro country, e eu sou uma grande fã de jazz. Espero que o meu próximo álbum seja em jazz. Eu sinto que estou chegando lá com canções como Shades Of Cool, Cruel World e com o cover de The Other Woman da Nina Simone. Estou avançando para o que eu realmente amo, que é uma espécie de Chet Baker, um som inspirado em Nina Simone. É difícil conseguir esse tipo de som, porque você precisa de grandes músicos de jazz. Eu realmente amo Dan Auerbach. Eu realmente amo ele. Ele tem sido uma inspiração. A maneira como ele me fez sentir foi muito diferente do que eu já havia sentido, só porque ele me fez sentir como se eu fosse apenas uma garota normal que queria trabalhar, o que foi refrescante. Não era como se eu fosse uma grande artista e que ele era um grande artista. Às vezes ele estava quente, às vezes ele estava frio, eu era como uma outra garota para ele. Ele estava apenas estava fazendo isso com os seus amigos do Brooklyn.”

Sobre mortalidade…

“Eu estava sempre à procura de um determinado grupo de pessoas que realmente tinham esse conceito de aparecimento de mortalidade que estava sempre com eles, que queriam saber de onde viemos e por que estamos aqui. É por isso que eu entrei em metafísica e deixei que isso infundisse minha arte, se eu estava pintando ou cantando ou apenas escrevendo para me divertir. Eu acho que se você não está se perguntando por que você está aqui, então, você sabe, nós não temos nada em comum. Porque eu me pergunto. Por exemplo, estamos no Brooklyn e eu amo as casas, eu amo as pessoas, mas isso não é tudo o que há para a minha experiência diária. Eu tenho um questionamento interno sobre o que é isso tudo. A imagem ‘toda’. Me surpreendo sempre que eu não vejo isso nas pessoas. Eu não sei. Talvez porque o mundo não é mais novidade, você sabe, tudo meio que já foi feito, e não há muitas coisas para experimentar, não há  muitas lojas para experimentar, porque todos elas foram já foram visitadas. Eu acho que é apenas 2014, é um tempo para sentar e se perguntar sobre o que é tudo. Não é uma questão nova, você sabe, mas é apenas uma que eu me pergunto sobre.”

Ao encontrar o sucesso mainstream… 

“Quero dizer, [o sucesso] não me deixou satisfeita, obviamente. Provavelmente poderia ter feito de uma maneira diferente, então eu teria me sentido satisfeita. Eu definitivamente não me sinto assim agora. Eu realmente não acho que alguém se sentiria assim. É meio que o oposto da satisfação. Escrever é satisfatório. Escrevendo o disco, trabalhando com Dan. É aí que a satisfação começa e termina. Esse problema é realmente bonito e elétrico e emocionante. Mas o material que vem com ele não é tão bom, né?”

 

Tradução por Gabriela Mendes e Thiago Goedert. – Equipe Lana Del Lovers Entrevista original por The FADER.