Lana Del Lovers
Lana Del Rey - Nicole Nodland (2011)

Pagesdigital | Entrevista: Lana Del Rey

Se você pedir para Lana Del Rey resumir como ela veio a se tornar famosa em tão pouco tempo, ela lhe dirá, com seus discurso suave e doce, que a fama nunca foi o que queria.

“Eu estava buscando ativamente em fazer um disco, mas eu nunca quis ser famosa”, diz a cantora, conhecida em casa como Lizzy Grant. Ela terminou uma sessão de fotos em Londres, e sentou-se conosco para um bate-papo. “Eu levava uma vida muito tranquila até agora… Estou surpresa com tudo isso, eu realmente estou.”

Pesquise mais e você também vai aprender que, embora existam todas essas alegações sobre ela ser um produto fabricado pela gravadora, possuir implantes labiais e ser um vírus se espalhando pela cena musical, ela é apenas mais um artista tentando corrigir os erros de um passado musical instável. E o direito a isso ela tem — com os singles Videos Games e Blue Jeans catapultando-a para o estrelato imediato na internet — com seus contos teatrais de corações partidos e, claro, com aqueles lindos vídeos editados por ela mesma. Chame isso de Hollywood pop, se você quiser.

“Muitas vezes sou inspirada pelo visual ao invés do musical”, diz Grant. “Acredite ou não, eu não sei muito sobre famosos filmes antigo… mas sou inspirada pelo visual deles.”

Formadores de opiniões musicais e jornalistas do mundo indie continuam suas calúnias sobre a cantora, onde a sua disposição e músicas petulantes para a Interscope Records em Outubro do ano passado fizeram dela um alvo fácil de ataque. “Eu não os leio mais”, ela me diz, “Eles fizeram isso para realmente me chatear. Tenho valores muito tradicionais. Sei que as pessoas pensam que eu sou, você sabe, este produto fabricado, mas eu tive os mesmos fãs por um longo tempo. Há, obviamente, mais deles agora”, ela ri.

Aos 18 anos, Grant se mudou de sua pequena casa rural em Lake Placid para Nova Iorque, começando um caso de amor que a inspiraria diretamente através de seus vinte anos. “Não sou excessivamente apaixonada por um monte de coisas na minha vida, mas eu sabia desde jovem que Nova Iorque ia ser minha cidade natal”, ela explica. “Eu realmente não saio muito à noite, porém, tenho uma família muito grande e um monte de coisas não ligadas à música que gosto de fazer.” Uma dessas coisas “não ligadas à música” inclui trabalhar com sua irmã em projetos sociais para os desabrigados.

Pelo que temos ouvido sobre o álbum de estreia de Grant, Born To Die, que acaba de conquistar o primeiro lugar nas paradas australianas, parece haver um lado obscuro de uma cantora com um um discurso fluido e consciente da moda. Ela rápida e diretamente me disse: “Com essas músicas, estava pensando em um relacionamento particular”, ela diz. “Eu sou uma pessoa muito feliz, mas, às vezes, a vida é difícil e os relacionamentos são uma merda.”

Inicialmente animada com a possibilidade de vir à Austrália, “você não sabe como estou animada”, mas, infelizmente, a turnê local de Del Rey teve de ser adiada devido a “inédita demanda internacional”.

Contudo, foi surpreendentemente uma entrevista real; irônica, considerando que isso é muito característico de um mundo que a acusou de não ser.

Tradução por Carolina Araújo e Thiago Goedert. – Equipe Lana Del Lovers
Entrevista original por Pagesdigital.