Lana Del Lovers
Lana Del Rey - Get Free (por Zé Neto (@znalmeida)).

Representante da Radiohead nega processo contra Lana Del Rey

Lana Del Rey gerou uma enorme confusão com seu tuíte e comentários sobre as semelhanças entre sua canção Get Free e o sucesso de 1993 da banda inglesa de rock alternativo RadioheadCreep.

Del Rey revelou a disputa em um tuíte publicado no último domingo (07), onde afirmava que a banda havia exigido 100% da receita gerada pela música. Mesmo afirmando que sua música “não foi inspirada em Creep”, ela ofereceu até 40% dos royalties para resolver a situação.

Embora a Radiohead ainda não tenha comentado diretamente sobre o assunto, a Variety recebeu uma declaração da editora da banda, a Warner/Chappell Music.

“Como editor de música da Radiohead, é verdade que estamos em discussões desde agosto do ano passado com os representantes de Lana Del Rey”, diz o comunicado. “É claro que os versos de Get Free usam elementos musicais encontrados nos versos de Creep e pedimos que isso seja reconhecido em favor de todos os compositores da mesma. Para esclarecer as coisas”, continua a declaração, “nenhum processo foi aberto e a Radiohead não disse que só aceitará 100% dos royalties de Get Free.”

No passado, a banda foi processada pelos compositores Albert Hammond e Mike Hazlewood por conta das semelhanças entre Creep e sua composição The Air That I Breathe, que foi um sucesso dos The Hollies em 1974. No fim das contas, o caso foi resolvido e ambos foram listados como co-autores da música.

Na segunda-feira (08), diversos advogados especializados em leis de direitos autorais de música disseram à Variety que a banda tem um forte argumento de que Get Free infringe Creep. Para ganhar um processo de violação de direitos autorais, os advogados da Radiohead teriam que persuadir um júri de que a música de Del Rey é “substancialmente semelhante” à Creep, tanto qualitativa quanto quantitativamente.

“Eu diria que este caso foge dos padrões”, disse Bill Hochberg, um advogado da Greenberg Glusker. “Essa música de Lana Del Rey está em uma linha tênue que separa o que é um conjunto bastante incomum de mudanças de acordes e uma sucessão de notas muito distintiva.”

Normalmente, nas disputas, os advogados se comunicarão e tentarão chegar a um acordo sem precisar entrar na justiça. Antes do litígio, ambas as partes também podem interagir com seus musicologistas para estudar as semelhanças entra as músicas. Duas músicas podem parecer similares para uma orelha não treinada, mas só um musicologista pode ser capaz de mostrar se as semelhanças são triviais ou comuns.

“Musicologistas são muito bons para mostrar onde a sequência de notas é usada em outras músicas”, disse Henry Gradstein da Gradstein & Marzano“Normalmente, o que define é um trecho onde há um padrão único de notas e acordes e ritmos.”

“Eu não acho que você ofereceria 40% de sua publicação se você acreditasse que a afirmação é leviana”, concordou James Sammataro, um advogado da Stroock & Stroock & Lavan.

Se as duas partes não puderem entrar em um consenso, Radiohead apresentaria um processo de direitos autorais no tribunal federal, e os advogados de Del Rey apresentariam uma moção para derrubar a ação. Sammataro disse que a banda poderia sair vitoriosa se o caso entrar na justiça. Caso isso ocorra, ambas as partes poderiam trazer seus especialistas. Por fim, dependeria da avaliação subjetiva do júri para definir se há ou não uma “similaridade”.

Passar de um júri é uma aposta arriscada, como um caso que veio à tona com Blurred Lines, onde os compositores da mesma, Robin Thicke e Pharrell Williams, foram processados por advogados que representavam Marvin Gaye e foram considerados “culpados” em março de 2015 por infringir os direitos autorais da música de 1977 de Gaye, Got To Give It Up. Em julho daquele ano, os juízes reduziram a quantia de $7.3 milhões para $5.3 milhões, embora Thicke e Williams tenham pedido uma nova redução de pena, mas que foi negada.

O caso teve um efeito profundo na indústria musical, como evidenciado pela similaridade entre o sucesso de 2014 de Sam Smith, Stay With Me, com a música de 1990 de Tom Petty, I Won’t Back Down, e ações judiciais envolvendo o sucesso de 2014 de Mark Ronson e Bruno Mars, Uptown Funk,  que viram os membros da The Gap Band serem adicionados à composição. Mês passado, Ronson foi processado por supostamente ter infringido o direito autoral da música de 1980 da banda Zapp, More Bounce To The Ounce, com muita similaridade com Uptown Funk.

Tradução e adaptação por Maria RochaThiago Goedert. – Equipe Lana Del Lovers.
Notícia original por Jem Aswad e Gene Maddaus à Variety.
Imagem de capa por Zé Neto.