Lana Del Lovers
Lana Del Rey - Love (2017)

i-D: Como Lana Del Rey fez de sua vida uma obra de arte

Em um artigo publicado nesta última quinta-feira (13), Dane Scott, do site da revista britânica i-D, analisou brevemente a carreira de Lana Del Rey, desde seu surgimento com Video Games até seu mais recente singleMariners Apartment Complex. Leia abaixo a tradução do artigo:

Sete anos após o verão de Video Games, Lana não mais se importa se você acha que ela está fingindo tudo.

Parece que Lana Del Rey viveu doze vidas antes de sua balada romântica Video Games se tornar viral no verão de 2011. Ela cresceu em uma pequena cidade no norte do estado de Nova Iorque, frequentou um internato formal, e passou um ano sabático trabalhando como garçonete em Long Island. Na universidade, ela estudou metafísica enquanto morava no Bronx. Essa antiga entrevista captura os anos pré-fama de Lana, onde ela vivia em um parque de trailers em Nova Jérsei, com seu cabelo tingido de loiro platinado, compondo canções sob o nome de Lizzy Grant.

“Eu tive uma visão de fazer de minha vida uma obra de arte”, ela explicou, em uma de suas entrevistas com o nome de Lana Del Rey. Ela nos deu uma tese para sua carreira naquele momento, apesar de ninguém ter realmente acreditado nela, basicamente. Nesse mesmo mês, Pitchfork tinha acabado com seu álbum de estreia: “Para todos os seus murmúrios sobre amor e devoção, é o álbum equivalente a um orgasmo fingido.” Tudo era dilacerado, por todo mundo — desde sua apresentação no Saturday Night Live até os rumores que apareceram com tudo sobre sua família, aparência e criação.

E “tudo não era verdadeiro” ela supostamente esclareceu. “Assim que a primeira pessoa escreveu a meu respeito, os artigos começaram a ficar simplesmente descarados, mentirosos. Eu considerei isso como calúnia. Se eu me importasse mais, eu iria matá-los.”

Seu novo single Mariners Apartment Complex, é uma meditação devaneadora em um momento de má interpretação com um amor passado. Em uma entrevista com a radialista da BBC Radio 1, Annie Mac, Lana explicou que a música foi inspirada numa caminhada, tarde da noite, com um cara que ela estava saindo, como ele tinha dito para ela, “Eu acho que estamos juntos porque somos parecidos — somos realmente problemáticos.” Ouvir isso em um momento em que ela achou que estava indo muito bem foi a “coisa mais triste que ela já havia ouvido”.

“Você tirou minha tristeza de contexto”, é o verso de abertura da música, mas quando ela mais tarde cantou as palavras “eles confundiram minha bondade com fraqueza”, é impossível não ouvir “eles” como representando não só o cara, mas todo mundo que tentou provar que Lana não era quem ela disse que era.

“Eu acabei com tudo, eu sei disso / mas, Jesus, uma garota não pode fazer simplesmente o que pode?” ela canta, e é fácil relembrar a época em que o jornal The Guardian expôs a manchete exploradora “Lana Del Rey: ‘Eu queria estar morta.’” Ou a época que a Entertainment Weekly especulou que ela tinha feito a “pior performance da história do SNL.” Ou quando Lana brincou ao se referir a si mesma como uma “Nancy Sinatra gangsta”, e até hoje isso ainda é usado por quem escreve perfis sobre ela. A lista continua.

“Eu acho que quando eu apareci por volta de 2011, não era muito certo ser diferente ou, tipo, sentir um pouco de tristeza”, ela refletiu em sua entrevista no rádio hoje.

Quando ela foi perguntada sobre qual conselho daria para os seus fãs naquela antiga entrevista, filmada pelo MySpace no Chateau Marmont, ela respondeu: “Encontre alguém que tenha uma vida que você queira e se pergunte como ele(a) a conseguiu. Leia livros. Escolha as pessoas que você se espelha de forma sábia — descubra o que eles fizeram e o faça.”

A carreira de Lana — os altos e baixos, a própria mitologização, a arte de como ela viveu sua vida e fez seu trabalho — forma um tipo de livro guia estilo “tenha iniciativa”, sendo uma artista em 2018.

Como Lana, a escritora Chelsea Hodson tem se divertido em assumir novos tipos de identidade e escrever tudo sobre isso — é o significado por trás do título de seu novo ensaio, Tonight I’m Someone Else. Com mensalidades de escolas de artes absurdas, aumentos de aluguéis em espaços de criação em nosso mundo, e indústrias que estão tornando-se cada vez mais desordenadas e nepotistas, a trajetória de se tornar um “artista” provavelmente nunca pareceu mais lamacenta e confusa.

“Quando você é jovem, todo mundo é um artista”, Chelsea escreve. “Mas é um jogo de resistência, uma luta contra vício, filhos, conforto, estase, plano de saúde, ter a casa própria. As pessoas estão diminuindo uma por uma. Ninguém nunca te diz isso.”

Lana Del Rey passou por tudo isso, na verdade — pelos vícios na adolescência, pelas cidades e lugares que ela viveu, pelas inundações de sexismo e calúnia que quase a fizeram desistir da música por completo. Seu sexto álbum produzido por Jack Antonoff é “influenciado por surf” e será lançado no começo do próximo ano. Antes ela irá lançar um livro de poesias também, simplesmente porque ela quer que elas existam no mundo afora — ela diz que irá lançá-las numa livraria em Silver Lake se for preciso.

Sete anos depois, Video Games ainda soa como amor de verão quintessencial, aqueles sentimentos de humildade e coração partido. A cada novo álbum, ela tem duplicado seu unicamente belo e lamacento som californiano, tecendo seu próprio mundo sônico. E agora seu novo single se junta a este catálogo de trabalho — músicas feitas por uma artista que está farta que lhe digam quem ela foi, quem ela é agora, e quem ela irá se tornar.

Tradução por Clara Gurgel — Equipe Lana Del Lovers.
Artigo original por Dane Scott à i-D.